Como o treinadores falam do suposto jogo de Vitória para o empate

As alterações de Rui Vitória na segunda parte colheram grande parte das críticas dos benfiquistas nas redes sociais após a derrota caseira frente ao FC Porto (0-1), que deixou os tetracampeões nacionais mais longe do penta. A imprensa decidiu recorrer a um painel de treinadores oara saber se o técnico dos encarnados, que ontem completou 48 anos, agiu bem e estes defendem Vitória na maior parte das decisões. “O problema não esteve nas substituições”, começou por aferir Carlos Azenha.

“Na segunda parte, o FC Porto fez uma coisa que o Benfica demorou muito a perceber: colocou Brahimi e Otávio a jogar no meio e entrelinhas. Muitas vezes o Benfica ficou exposto às movimentações”, vincou, corroborado por Daúto Faquirá, que entendeu a colocação de Samaris em campo pelo facto das águias estarem “a perder o controlo do jogo”.

Por seu turno, Vítor Manuel reiterou que Sérgio Conceição foi mais audaz e “acrescentou algo ao jogo” com as substituições ao contrário de Rui Vitória que “retirou qualquer coisa”. “Ou arriscava tudo num 4x4x2, passando um sinal de preocupação ao FC Porto, ou Seferovic entrava muito mais cedo para o lugar de Jiménez, que estava em falência física”, justificou.

Na 1.ª pessoa

DAÚTO FAQUIRÁ

“O Benfica estava a perder o controlo do jogo na 2ª parte. O Marega estava a jogar perto do Soares de forma declarada e o FC Porto estava bem. O facto de jogar com mais um médio não é opção de tração atrás. Tem a ver com a compreensão do treinador, no momento, de que era preciso ter mais bola e partir para a ofensiva. É fácil depois do jogo dizer que se retirou um agitador como Cervi para colocar Samaris. Com Salvio, tentou que houvesse maior envolvência no espaço interior.”

CARLOS AZENHA

“O problema do Benfica não esteve nas substituições. Foi mais agressivo nos duelos e foi mais incisivo sobre o portador da bola. Na 2ª parte, o FC Porto fez uma coisa que o Benfica demorou muito a perceber: colocou Brahimi e Otávio a jogar entrelinhas. Muitas vezes, o Benfica ficou em igualdade numérica e fica exposto ao FC Porto. Samaris não entrou para defender, é exatamente o contrário. Rui Vitória faz a substituição para ganhar o equilíbrio do meio-campo. ”

VÍTOR MANUEL

“Sérgio Conceição acrescentou algo no jogo e Rui Vitória retirou qualquer coisa por perceber que empatar era um mal menor, já que o mantinha na liderança. Os treinadores têm de saber viver com isso. Ou arriscava tudo num 4x4x2, passando um sinal de preocupação ao FC Porto, ou Seferovic entrava muito mais cedo para o lugar de Jiménez, que estava em falência física. Fazia sentido a entrada do Salvio para ocupar espaços centrais, mas retirar Rafa retirou também capacidade de chegada à área.”