A dívida líquida corresponde ao segundo valor mais baixo na última década

Advertisement

A Sport Lisboa e Benfica – Futebol SAD apresentou hoje os resultados referentes ao primeiro semestre do exercício de 2020/21 onde se sentem os impactos associados à pandemia e da não presença na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Apesar disso, destaque para o facto de a Sociedade ter apresentado um resultado líquido positivo de 8,2 milhões de euros, correspondendo ao sétimo ano consecutivo em que apresenta lucro nos primeiros seis meses de atividade.

resultado operacional também se manteve em terreno positivo ascendendo a 12,8 milhões de euros, no qual muito contribuiu a mais-valia significativa da transferência de Rúben Dias para o Manchester City.

FACTOS RELEVANTES

  • 7.º ano consecutivo com lucros no primeiro semestre: 8,2 M€;
  • Resultado operacional manteve-se positivo: 12,8 M€;
  • Rendimentos totais com o 2.º melhor semestre de sempre: 134,9 M€;
  • Ativo aumentou 22%: 594,4 M€;
  • Dívida líquida com o 2.º valor mais baixo na última década: 116 M€;
  • Capital próprio positivo: 169,4 M€.

A inexistência de receitas de bilheteira e redução dos rendimentos com prémios distribuídos pela UEFA refletiram-se no decréscimo em 47,5% dos rendimentos operacionais, face ao período homólogo, atingindo os 53,5 milhões de euros.

Os rendimentos com transações de direitos de atletas correspondem a 77,5 milhões de euros e o resultado com transações de direitos de atletas ascendem a 69,7 milhões de euros, estando ambos significativamente influenciados pela transferência do jogador Rúben Dias para o Manchester City.

Os rendimentos totais no semestre ascendem a 134,9 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 44,8% face ao período homólogo, mas que correspondem ao segundo melhor semestre de sempre em termos de rendimentos totais obtidos pela Sociedade.

ativo no final de 2020 ascendeu a um valor de 594,4 milhões de euros, um aumento de 22% face ao final do exercício anterior, sendo esta variação principalmente explicada pelos investimentos realizados na equipa principal de futebol, com impacto na rubrica de ativos intangíveis – plantel de futebol, e pelos aumentos ocorridos nas rubricas de caixa e equivalentes de caixa e de clientes e outros devedores.

investimento no plantel juntamente com o aumento das rubricas de fornecedores e outros credores, na sequência da emissão de um novo empréstimo obrigacionista, contribuíram para um aumento do passivo em 30,4% face ao final do ano transato, atingido os 425 milhões de euros.

A dívida líquida a 31 de dezembro de 2020 ascendeu a um montante de 116 milhões de euros, o que, apesar de representar um aumento de 23,2 milhões de euros face ao final do exercício transato, corresponde ao segundo valor mais baixo na última década apresentado pela Sociedade.

O resultado líquido positivo do semestre em análise refletiu-se numa melhoria de 5,1% do capital próprio face a 30 de junho de 2020, fixando-se nos 169,4 milhões de euros. Esta recuperação do capital próprio da Benfica SAD iniciou-se no exercício findo a 30 de junho de 2013, tendo até à data ocorrido uma evolução positiva que, em termos acumulados, ascende a 193,2 milhões de euros.