Advogada do ex-líder da Juve Leo a falar em apenas estalos aos jogadores e enaltece Pinto da Costa e o seu FC Porto

A advogada de Fernando Mendes e Joaquim Costa, dois dos quatro detidos por suspeitas de comparticipação às agressões aos futebolistas e equipa técnica ‘leoninos’ manifestou-se esta sexta-feira contra o julgamento público de que têm sido alvo os seus constituintes.

“Acho um bocadinho estranho isto ser considerado terrorismo. A ideia que tenho, desde o primeiro dia, é que vão ficar todos presos, mas eu sou advogada e vou morrer a recorrer, para que se faça justiça”, afirmou Sandra Martins aos jornalistas, à saída do Tribunal do Barreiro, onde os quatro arguidos detidos na quarta-feira estão a ser ouvidos.

De resto, a advogada de Fernando Mendes, que é o segundo dos arguidos a prestar declarações hoje, depois de ‘Aleluia’ ter sido o primeiro, disse não perceber por que este é “um caso público” e apontou o dedo à comunicação social.

Não sei por que é um caso público, não sei o que está por trás. Eu sou muito pequenina tendo em conta aquilo que se passa. Sigam o dinheiro, vão atrás do dinheiro”, disse.

Nunca vi na minha vida, um par de estalos e um cinto espetado na cabeça de um jogador de futebol que – porque ganha muito mais dinheiro do que eu e do que a senhora – ser considerado um crime de terrorismo”, acrescentou a advogada, respondendo a uma jornalista.

E reforçou a sua posição: “Se eu considero que o Whatsapp é uma forma de 20 ou 30 miúdos encetarem um ataque terrorista? Devem ser a Al Qaeda, só pode!”.

Subscrever Blog via email

Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 1.255 outros subscritores

Siga-me no Twitter