Não é novidade nenhuma e este assunto já se arrasta há uns anos. A TVI teve acesso à ata de uma reunião do Conselho de Arbitragem, da Federação Portuguesa de Futebol, que pode comprometer os responsáveis deste organismo.

O documento faz referência ao fim do processo classificado dos árbitros e assistentes, mas em tribunal, no âmbito de vários processos de recursos de árbitros despromovidos, alguns dos dirigentes garantiram que as avaliações continuam com critérios bem definidos. Agora, correm o risco de ter de responder perante a justiça por falso testemunho.

No início do verão entrou no Departamentos de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto a queixa de um árbitro contra as secções de classificações do Conselho de Arbitragem, que gerem, há vários anos, as notas dos árbitros, dos assistentes, dos vídeo-árbitros e dos observadores. Decidem quem sobe e quem desce de escalão ou quem chega a internacional.

A ação é apoiada por cerca de 30 outros árbitros, que têm sido chamados a testemunhar no Ministério Público. Segundo sabe a TVI que há denúncias de viciação das notas para favorecer uns e prejudicar outros, queixando-se os árbitros de nunca terem acesso aos critérios de avaliação e ao peso dos respetivos parâmetros na nota final.

Fonte oficial do Conselho de Arbitragem disse à TVI que na época 2017/2018 os árbitros solicitaram que as avaliações quantitativas de cada jornada não lhes fossem facultadas e todos assinaram uma declaração nesse sentido. Assim, nessa época, passaram a ter acesso apenas à avaliação qualitativa do desempenho nos jogos.