Já não se fazem “patos” como antigamente o jornal ojogo tinha. Aqueles que faziam grandes simulações para livrar jogadores como o Deco, de grandes castigos.

Hoje enquanto o Benfica aposta na sua marca, na sua situação financeira, na formação e em ganhar títulos(5 em 6), os outros focam-se em denegrir a imagem do clube em vez de se focarem em arranjar métodos legais para pagar às pessoas.

O Cartilheiro Baldaia, para agradar “à corte do FC Porto”, meteu-se numa discussão publica de um ex-casal e culpa o Benfica por isso. Esquece-se é que quem a nomeou, tem um percurso bem conhecido no seu clube. Aí já não vale criticar? Realmente ser acusado de nomear uma pessoa que dizem que é benfiquista e que devido a esse facto, não pode ser nomeada para o lugar do Meirim “apertos no pescoço a 20 paus”, só mesmo na cabeça dos cartilheiros.

Recordo que não há muito tempo, o Benfica pediu para que todas as pessoas desses cargos revelassem as suas cores. O FC Porto atacou dizendo que era uma caça às bruxas. Hoje são os mesmos que, através dos cartilheiros, se metem numa discussão de um ex-casal atirando as culpas para o Benfica.

Estas criticas do Mário Figueiredo provam três coisas:

  1.  Não está e nem nunca esteve “pró-Benfica” como muitos acusaram;
  2.  Vir para a praça publica criticar uma mulher só porque o deixou;
  3. Ver o FC Porto aproveitar-se deste triste espectáculo é não ter vergonha na cara.