Vários documentos pertencentes à equipa de advogados que defendeu o Benfica no âmbito do processo E-Toupeira foram divulgados na internet. Também caíram na ‘rede’ conversas por email entre Rui Patrício, Paulo Saragoça da Matta e João Medeiros sobre a estratégia a aplicar durante a fase de instrução daquele caso, que, recorde-se, terminou com a SAD ilibada dos 30 crimes de que era acusada pelo Ministério Público.

Entre os documentos revelados estão, por exemplo, os requerimentos para a abertura de instrução, cada um referente aos crimes de que a sociedade benfiquista estava acusada: corrupção ativa, oferta ou recebimento indevido de vantagem e falsidade informática.

Para a defesa dos encarnados, os três causídicos, pertencentes à empresa PLMJ Advogados, estudaram ainda todo o tipo de legislação desportiva, desde o regulamento disciplinar da Federação Portuguesa de Futebol, passando pelo regulamento disciplinar das competições da Liga até ao código de ética da FIFA. Também estes documentos foram divulgados na internet.

Testemunhas

Por fim, também caíram na internet vários documentos word com a preparação das testemunhas arroladas pelo Benfica para o processo E-Toupeira. Domingos Soares de Oliveira, Nuno Gaioso Ribeiro, Fernando Gomes, Pedro Proença, Miguel Moreira e Luís Bernardo tinham, cada um, um ficheiro próprio a rondar as 10 páginas.

Vieira recebeu lista de processos

Nos documentos tornados públicos, há listas de processos judiciais enviadas pelo advogados do Benfica, João Correia e José Luís Seixas, a Luís Filipe Vieira e Domingos Soares de Oliveira, presidente e administrador dos encarnados, respetivamente. Nas respostas às solicitações dos dois dirigentes, estão não só as ações movidas pelas águias, como, também, aquelas em que o Benfica é visado, como Mala Ciao, Saco Azul ou Vouchers.