E quem é a testemunha de Francisco J Marques?

Advertisement

No próximo dia 17 de março terá início a fase de instrução do denominado caso dos e-mails. Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, Júlio Magalhães, ex-diretor do Porto Canal e Diogo Faria, diretor de conteúdos da FC Porto media, vão ser ouvidos pelo juízo de instrução criminal de Matosinhos. Esta é a fase em que as defesas mostram os seus argumentos e em que o juiz de instrução decide se leva o caso a julgamento.

Há um ano, o Ministério Público acusou Francisco J. Marques de seis crimes de violação de correspondência e um de acesso indevido no caso dos emails do Benfica divulgados durante programas do Porto Canal. Júlio Magalhães foi acusado por três crimes de violação de correspondência ou de telecomunicações agravados. E Diogo Faria vai responder por dois crimes.

Ora a primeira testemunha a ser ouvida é um dos cartilheiros e diretor do jornal “ojogo”. Termos um diretor do “ojogo” a testemunhar a favor do FC Porto e dos acusados pelo ministério público é a prova inequívoca de que aquele não é um projeto editorial mas um projeto ao serviço de um clube. E é a segunda vez que acontece, no âmbito de um processo que envolve o FC Porto, jornalistas serem chamados a testemunhar a favor.