João Paulo Rebelo deveria era questionar o deputado e presidente do FC Porto

PUB

O Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, deveria era questionar o deputado Tiago Barbosa Ribeiro e o presidente Pinto da Costa pelo incitamento à violência logo após uma partida de futebol. Depois das declarações de um, num canal de televisão, e de outro nas redes sociais, terem pedido reação que começaram as ameaças de morte, divulgação de contactos(incluindo o meu agora antigo número) nas redes sociais. Era isso que deveria questionar às autoridades sobre o que pensam fazer de tais declarações e não andar com o mesmo discurso de sempre.

“A primeira coisa que temos que fazer é condenar com veemência, repudiar, estas expressões de violência, comportamentos violentos, sejam de violência física ou verbal. São comportamentos inaceitáveis, inadmissíveis e temos que ser todos implacáveis contra estes atos. Não há lugar para a violência em qualquer parte, no desporto ainda menos. Os valores do desporto são contrários, não tem nada que ver com violência. Depois, também tenho dito, todos nós temos de fazer a nossa parte, mas há quem tenha especiais responsabilidades. Eu, enquanto Secretário de Estado, tenho especiais responsabilidades, como têm os agentes desportivos. Os dirigentes, os treinadores, os jogadores, que são modelos, que são exemplos, que são ídolos de centenas de milhar de jovens”, apontou.

PUB

Questionado sobre que medidas especiais vai adotar nesta altura, João Paulo Rebelo adiantou que irá reunir com a APAF. “Estamos permanentemente a debater. Eu estou em permanente contacto com os dirigentes das federações desportivas, das mais diversas modalidades. Hoje recebi um pedido da APAF para uma reunião e vou responder prontamente. Ninguém me pode acusar de não ser solícito. Vamos ouvir a APAF, de que forma entendem que o governo pode ou não ter acção. Em matéria de violência, o governo feza um alteração à lei muito significativa. Aumentámos as coimas, criámos um processo sumaríssimo, que é um acelerador processual para a Autoridade de Prevenção para a Violência no Desporto. Criámos isso de raiz”, acrescentou, lembrando todo o trabalho que foi feito até aqui, desde que assumiu o cargo.