No dia em que o Benfica celebra 115 anos, Luís Filipe Vieira dá conta do estado do clube, numa entrevista ao jornal O Benfica, esta quinta-feira nas bancas, e anuncia que os encarnados estão, agora, preparados para dar novo passo de afirmação. O presidente das águias anuncia um clube «mais sólido, robusto e cada vez mais autónomo» e sem necessidade de abrir mão dos maiores talentos produzidos pela formação do Seixal.

O líder dos encarnados revela que «dentro do possível» tem o objetivo de «segurar os maiores talentos pelo maior número de anos», acontecendo isso por viver o Benfica «com outra estabilidade e segurança financeira». Insiste: «Não temos nenhum objetivo de vender os nossos principais jogadores que chegaram agora do Seixal.»

Vieira entende que «a cada dia que passa esses jovens talentos estão mais valorizados e provam a boa visão, rumo e estratégia» da Direção, por perceber «que a aposta na formação e na criação de uma escola sólida, coerente, de autêntica filosofia própria com ADN de jogador à Benfica seria a opção mais acertada». Volta a justificar algumas saídas com o «aproveitamento de oportunidades» numa primeira fase de «constrangimentos financeiros».

E, agora, só «pelos valores de cláusulas de venda» as saídas serão realidade. «A prioridade é garantir que estas fornadas sejam a base das nossas equipas principais de futuro. E o futuro, acredito, é radioso», vinca.

O líder das águias está «cada vez mais convencido» de que o Benfica voltará a uma final europeia, acreditando que a formação criará «uma base sólida na equipa principal». Dessa forma, defende, «será possível reequilibrar o jogo de forças com as principais e mais ricas equipas europeias».

«Estou convicto de que estamos a criar as bases para a afirmação de um longo ciclo de hegemonia no futebol português e de consolidação da nossa presença entre as principais equipas europeias», rematou.