Inicio Futebol Manuel José: “Se não houver mais futebol não deve haver campeão”

Manuel José: “Se não houver mais futebol não deve haver campeão”

Em entrevista ao Bancada, Manuel José revela que impacto será tal que “até administradores vão ter de baixar salários”
O futebol está parado e os jogadores vão tentando, na medida do possível, realizar treinos em casa enquanto não se sabe propriamente se será possível finalizar a época 2019/20. Na secretaria ou no campo, com a classificação ‘fechada’ em relação ao fim da primeira volta ou de acordo com a altura em que aconteceu a paragem forçada, a verdade é que são muitas as dúvidas. Manuel José, um dos mais prestigiados técnicos portugueses, acredita que, se não for possível voltar a jogar nesta época, não deve haver uma equipa campeã.

“Não faz sentido pensar que deve ser campeão quem estava em primeiro no fim da primeira volta ou quem está agora. Concordo com o [Carlos] Carvalhal e penso que se não houver mais futebol não deve haver campeão”, afirma Manuel José, em entrevista ao Bancada.

Nesse cenário, o experiente treinador não tem dúvidas de que “de uma forma ou de outra” tanto Benfica como FC Porto, as duas equipas que estão agora nos lugares mais cimeiros, vão tentar “jogar com os seus interesses”.

Manuel José reforça a ideia de que a “melhor opção” é dar o campeonato por terminado, se a Covid-19 não permitir que se jogue mais nesta época, e não declarar ninguém vencedor.

“A segunda volta não terminou e nesta altura nem sabemos se dará para terminar. Portanto, se não for possível jogar mais não há campeão e acabou-se. Ponto final”.

O treinador apela ainda ao espírito solidário e coletivo de todos os emblemas para que se unam neste momento de particular dificuldade.

“O importante é que os clubes e as entidades do futebol percebam como isto vai piorar para todos, alguns clubes vão mesmo falir. Não estou a traçar um cenário apocalíptico mas as coisas vão ficar muito complicadas, os clubes não vão conseguir pagar salários, mesmo os ‘grandes’ com salários milionários, vão ter de baixar a fasquia”.

Antecipando dias “muito difíceis” para o futebol português, Manuel José sublinha ainda que, no caso do título ser decidido na secretaria e mesmo sem campeão, tanto a Liga como a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vão ter de definir uma lógica para quem sobe, quem desce e quem vai às provas europeias.

Mas nesse cenário, Manuel José diz que Portugal “terá de fazer como os outros campeonatos nas implicações europeias”. “Portugal não está sozinho nesta situação”, realça o treinador de 73 anos.

Nesta entrevista ao Bancada, Manuel José destaca ainda que o apuramento para a Liga dos Campeões assumirá um papel fundamental para a tesouraria dos clubes, sublinhando que, ao olhar para as duas equipas que estão em melhor posição nesta altura, crê que será “mais importante para o FC Porto do que para o Benfica”.

“O Benfica tem uma condição financeira, não direi folgada, mas melhor. Ainda assim, dado o impacto que o problema do vírus está a colocar na economia mundial, também poderá enfrentar dificuldades. O FC Porto tem uma situação crítica”, detalha o prestigiado treinador português.

Manuel José acredita mesmo que, por causa da crise que o mundo irá enfrentar por causa do novo coronavírus, o futebol vai conhecer um novo paradigma.

“Até os administradores vão ter de baixar salários, coisa que raramente se vê no futebol.”