“Não é tempo de estarmos divididos”

Advertisement

Varandas Fernandes, vice-presidente do Sport Lisboa e Benfica, analisou o momento do Clube e fez uma leitura dos resultados da votação do orçamento para o exercício de 2020/21 na recente Assembleia Geral, em entrevista ao jornal “A Bola”.

“Em primeiro lugar tenho de enaltecer a forma como foi organizada a Assembleia Geral, de uma forma competente e muito responsável. Foi uma AG que decorreu com correção e respeitabilidade à elevação do Benfica. O orçamento foi chumbado e agora vamos analisar e ponderar devidamente em reunião de Direção. Estatutariamente há vários caminhos possíveis com três opções em cima da mesa, desde a correção do orçamento até à não apresentação de outro documento. Mas naturalmente que antes de qualquer decisão a Direção vai analisar e ponderar, porque é isso que se exige”, comentou Varandas Fernandes.

“Temos estado a viver, nestes últimos tempos, uma complicada ausência de bons resultados ao nível do futebol. Mas falar de crise grave como algumas pessoas andam a falar… Quem ganhou cinco dos seis últimos campeonatos; na última década tivemos resultados desportivos no futebol em que conquistámos 18 títulos contra 12 do FC Porto e cinco do Sporting. Nas modalidades de pavilhão conquistámos 73 títulos, o FC Porto 40 e o Sporting 28. Ou seja, sozinhos no futebol e nas modalidades ganhámos mais do que os nossos rivais juntos e partindo de uma situação caótica, como todos se lembram, e que se arrastava há grande número de anos”, recordou o vice-presidente.

“Nós fomos campeões há um ano e, que eu saiba, a realidade é esta, ainda estamos na luta na Liga e na Taça de Portugal. Há que ter bom senso e a noção da realidade. Nos últimos 17 anos recuperámos o Clube a nível de infraestruturas físicas, na credibilidade, na inovação e competitividade. Obviamente que não estamos hoje onde gostaríamos de estar, mas isso não nos pode levar a comprometer tudo o que foi conseguido até aqui”, avisou Varandas Fernandes na leitura do momento atual do Clube e dos resultados no futebol.

“Para mim, uma coisa é a conjuntura, outra é a dimensão estrutural que o Benfica, com este Presidente, consolidou ao longo dos últimos anos. E não podemos comprometer a solidez estrutural por uma conjuntura de resultados que são menos felizes e passageiros. Todos nós sabemos que os próximos tempos vão ser difíceis do ponto de vista financeiro, mas se há coisa que este Presidente e esta Direção provaram é que sabem enfrentar situações muito difíceis, e esta é mais uma delas. Estamos preparados”, assegurou o vice-presidente, alargando a amplitude da avaliação.

“A demagogia alimenta-se de picos estruturais. Há alguns benfiquistas (temos de ser verdadeiros) a semear a divisão e o populismo. E não podemos esquecer que essa demagogia foi a manipulação que destruiu o Benfica em tempos passados. Não é tempo de estarmos divididos, de populismo estéril e promessas fáceis. E digo mais: quem só critica não sabe governar, ou quem só sabe criticar não está preparado para governar, e há uma coisa que para mim é segura: temos de ser resilientes e estar gratos a quem nos trouxe até aqui, que foi o Presidente Luís Filipe Vieira. É a realidade e a vida é assente em realidades. E por muito que queiram pintar um quadro negro, apesar de já não ser original esse tipo de ataques ao Presidente e à Direção, por todo o percurso feito, o Benfica é o clube que está melhor preparado para a próxima década, que esperamos que seja uma década cada vez mais vitoriosa e mais ambiciosa. E creio que temos todas as condições para isso”, vincou.

“A Direção e o seu Presidente são gente responsável e respeitadora e que não brinca com coisas que são muito sérias. Temos uma conduta própria e o nosso interesse é colocar e defender o Benfica acima de tudo, de todo e qualquer interesse. Este é um momento de acompanhar, de estar atento, de refletir, de analisar e de ponderação e não de ataques, de precipitações nem de críticas fáceis”, enfatizou Varandas Fernandes.