“Não posso dizer que sou imbatível, nunca se pode falar assim”

Advertisement

Pedro Pichardo saltou 17,71 metros alcançando a qualificação para a final do triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, deixando a concorrência a larga distância.

«Parece fácil, mas são muitos anos de trabalho, um ciclo olímpico a preparar este dia da qualificação e a final, por isso é que toda a gente acha que é fácil. É muito trabalho no meu corpo e na minha cabeça», começou por dizer o atleta de 28 anos, acrescentando: «Foi um salto tranquilo. No primeiro relaxei demasiado e a fase do voo, do apoio para o salto, não saiu bem e a corrida também foi mais lenta. Foi confiança demais. Depois, só quis fazer bem o segundo.»

Sobre a final de quinta, Pichardo recusou um estatuto de especial: «Não posso dizer que sou imbatível, nunca se pode falar assim. Todos estamos em boa forma física, preparados para uma medalha, vai ser só o dia em que se vê quem salta mais.»

Já sobre os desempenhos dos seus adversários( em particular Hugues Fabric Zango) Pichardo garante que não se foca nos adversários.

«Não me foco neles, estou focado em atingir uma marca e, se a alcançar, aí posso ser imbatível. Qual é? É melhor ser surpresa, às vezes é o melhor. Sinto-me bem, física e psicologicamente. Se Deus quiser, agora é esperar que quinta-feira possa fazer o meu melhor. Tenho um bocado mais de 18 metros na cabeça, e nas pernas também», concluiu

A final está marcada para quinta-feira, às 11 horas locais (3 horas em Portugal continental).