News Benfica fala em derrota inesperada, nos erros admitidos pelo treinador e sobre Hugo Miguel

Advertisement

Não era de todo esperado o desaire, ontem, no Bessa. O percurso incólume da nossa equipa desde que se iniciara a Liga NOS, com sete triunfos consecutivos (cinco no Campeonato e dois na Liga Europa), acrescido do bom nível exibicional apresentado ao longo deste período, justificava o nosso otimismo para a deslocação ao reduto do Boavista, mesmo cientes dos problemas que o nosso adversário poderia criar e da calendarização muito apertada.

Jorge Jesus apontou a desorganização defensiva, nomeadamente na reação à perda da bola, e a complacência do árbitro relativamente às muitas faltas cometidas por jogadores do Boavista como fatores que afetaram o rendimento da equipa e influenciaram o resultado. Assim como reconheceu que se sentiu “a carga de todos os desafios que temos vindo a disputar”, acrescentando que “isso faz parte de uma equipa que quer estar em todas as frentes”.

Acerca da condescendência da equipa de arbitragem, ao não admoestar os jogadores axadrezados por faltas sucessivas, chega a ser caricato que o primeiro cartão amarelo mostrado na partida tenha sido a Vertonghen e o primeiro boavisteiro admoestado o tenha sido só aos 59 minutos.

Importa agora reagir à derrota, tirar ilações sobre o que se poderá melhorar, recuperar a condição física dos jogadores e direcionar o foco para o jogo seguinte.

O próximo adversário será o Rangers (quinta-feira, dia 5, às 17h55), na Luz, numa partida a contar para a Liga Europa. O objetivo passa por vencer e somar mais três pontos, alcançando, nesse caso, a liderança isolada do grupo à terceira jornada. Só depois se pensará no Braga, próximo adversário na Liga NOS (domingo, dia 8, na Luz, às 20 horas).

De todos, um!