Que grande jogo de Taça tivemos ontem no nosso Estádio. Muita qualidade e emoção mesmo até ao último minuto. É comum, no desporto, em circunstâncias similares às ocorridas ontem na partida frente ao Famalicão, que o desânimo se apodere de uma equipa e a condicione negativamente até ao apito final.

No entanto, a nossa, mesmo vendo-se subitamente em desvantagem quase à entrada do último quarto de hora da partida, após ter marcado primeiro ao fim de mais de 50 minutos de procura pelo golo, soube reagir a essa contrariedade e, com muita raça, muito querer e muita ambição, acabou por encetar nova reviravolta no marcador e obter uma vitória, por 3-2, que a coloca em vantagem para a segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal.

Foi isso mesmo que Bruno Lage destacou ontem na conferência de Imprensa, ao referir: “Vencemos porque tivemos capacidade enorme de acreditar. Há dias em que as coisas não correm bem, mas temos de nos agarrar ao primordial, que é vencer.”

E vencer é o que a nossa equipa mais tem feito ao longo da temporada. Ontem tratou-se da 21.ª vitória nos últimos 24 jogos, sem qualquer derrota, nas competições nacionais, a 24.ª em 28 partidas nas frentes domésticas desde que a temporada começou.

O nosso adversário demonstrou porque é considerado a sensação da época e chegou às meias-finais da Taça de Portugal, além de estar a apenas um ponto do terceiro classificado da Liga NOS ao fim de 19 jornadas. A eliminatória está em aberto e só um Benfica forte e empenhado, como tem sido habitual, poderá ultrapassar este Famalicão no seu reduto, já na próxima 3.ª feira, às 20h45, e chegar assim a mais uma final da segunda prova mais importante do calendário competitivo nacional.

P.S.: Em vésperas de clássico, lá regressam em força as pressões, ameaças e coação sobre tudo e todos, em especial sobre as equipas de arbitragem. Só falta mesmo mais uma nova invasão do centro de treinos de árbitros.