«Quem são os talentos portugueses a seguir?» Nuno Gomes satisfez, numa entrevista, a curiosidade da jornalista do diário desportivo italiano Tuttosport, indicando, sem hesitar, dois jovens da formação do Benfica – Gedson e João Félix.

No âmbito da visita da seleção italiana a Lisboa, para jogar com Portugal, Nuno Gomes analisou a atualidade do futebol português.

Sem Cristiano Ronaldo em campo a Seleção perde muito, reconhece, mas haverá oportunidade para «observar outros talentos».

Questionado sobre quem, o antigo homem forte da formação do Benfica, de 2015 a 2017, não teve papas na língua. E disparou: «Gedson, joia do Benfica, já titular na Liga dos Campeões, é um médio muito forte. O futuro será dele e de João Félix, que está na seleção sub-21. Sem Ronaldo, Bernardo Silva é o mais forte que temos.»

Numa entrevista de quatro páginas, Nuno Gomes voltou ao tema dos maiores talentos que estão no final da linha de produção do futebol português.

«Indicarei João Félix», respondeu, para logo deixar de aviso clubes italianos eventualmente interessados em contratá-lo, assinalando: «Mas já custa muito.» Na curta análise ao médio-ofensivo de 18 anos, já com cinco presenças e um golo pela equipa principal do Benfica esta época, Nuno Gomes faz uma comparação entre João Félix e um dos melhores de sempre:

«Tem muita personalidade e um toque de bola que me faz lembrar Zidane!»