O pós-Alvalade, o que foi alcançado e o que falta alcançar

As declarações no final do jogo, quer do *Presidente* quer do *Treinador*, devem representar o sentimento geral nesta fase: não está nada ganho, há muito por fazer e é bom lembrar que o Campeonato (e a época) ainda vai a meio.

Apesar disso, o que está a ser feito também não deve – nem pode – ser escondido. Não é possível esconder os *grandes registos* que se vão conseguindo, nem os múltiplos recordes que se vão batendo.

O Benfica conseguiu em Alvalade a *17.ª vitória consecutiva fora de casa*. É um feito nunca antes alcançado na história do Campeonato Nacional. Um registo que entra directamente para história do futebol português, mas é bom termos consciência de que, a partir de agora, há um novo objectivo. E queremos ser nós, Benfica, a bater esse recorde que já nos pertence. Temos uma excelente oportunidade para fazer isso mesmo já daqui por… 8 dias, em Paços Ferreira. Queremos alcançar aí mais uma vitória nesta nossa corrida #rumoao38 e que, a acontecer, será a 18.ª vitória consecutiva fora de casa!

Contamos, para isso, com aquilo que nunca nos faltou e que uma vez mais se viu em Alvalade: o extraordinário apoio dos nossos *adeptos*, que também Luís Filipe Vieira e Bruno Lage elogiaram na noite de ontem. Será fundamental voltar a sentir esse calor dos benfiquistas no jogo da próxima jornada! E estamos certo que isso irá acontecer.

Esse registo de 17 vitórias fora de casa é apenas um dos muitos recordes que vão caindo. É um recorde do Benfica, de Bruno Lage e todos os jogadores que participaram nesses jogos. Mas há mais. O Benfica, Bruno Lage e esses mesmos jogadores acabam de conseguir a *melhor 1.ª volta de sempre* na história da Liga: 48 pontos num máximo de 51. Isto depois de, na última época, terem conseguido a *melhor 2.ª volta de sempre* na história da Liga!

Ou seja; entre janeiro e maio, a melhor 2.ª volta de sempre. Entre agosto e janeiro, a melhor 1.ª volta de sempre. Não dá para esconder!

Compare-se, já agora, os números que o Benfica tem esta época com os registos das principais equipas europeias nos seus respectivos campeonatos. Veja-se se existe algum treinador no Mundo que, ao fim de um ano no cargo, tenha *100% de vitórias como visitante*!

Bruno Lage tem, neste momento, 36 jogos na Liga como treinador do Benfica: 34 vitórias, 1 empate, 1 derrota. Tem *95% de vitórias*. Em 108 pontos possíveis, o Benfica de Lage fez 103. Já é mais do que um caso de estudo.

Os inevitáveis destaques individuais:

*Rafa* voltou frente ao Rio Ave, durante 4 ou 5 minutos. Ontem foram pouco mais de 20 e… ele aí está. Um regresso extraordinário de um jogador extraordinário. Tinha-se lesionado contra o Lyon, a jogar precisamente na posição para onde ontem entrou. Marcou ao Lyon e bisou em Alvalade. Ou seja: fez cerca de meia hora naquela posição frente a Lyon e Sporting e marcou 3 golos! Dá que pensar.

*Ody* continua a fazer a sua melhor época de sempre. Um nível incrível de um guarda-redes que já não se discute.

Mas há mais: *André Almeida, Ruben e Gabriel* a um nível muito alto, de grande consistência.

E que dizer de *Weigl*? Ao fim de 3 jogos, é difícil alguém conseguir recordar uma ação errada do médio alemão. Alguém se lembra, por exemplo, de o ter visto falhar um passe?

*Ferro* não atravessa o melhor momento, é verdade, mas tem jogado limitado fisicamente e feito um grande esforço para continuar a ajudar a equipa.

*Vinicius e Seferovic* apresentam alto rendimento e acrescentam sempre valor independentemente de jogarem de início ou de entrarem a partir do banco. Ou marcam ou assistem. E mesmo não acontecendo uma coisa ou outra, há sempre contributo válido, próprio de quem “treina a mil” e “joga a mil e um”

É bom ver, por curiosidade, quantos jogos já o Benfica resolveu da forma que o fez ontem, com jogadores saídos do banco. Ontem foi Rafa, com o Rio Ave foi Sefe e até com o Aves foram suplentes, como Cervi, que vieram a ser decisivos na reviravolta.

Jogadores como *Pizzi, Grimaldo, Adel ou Chiquinho* também já não se discutem. São parte importante do “cimento” desta equipa.

Sobre *Cervi*, o que dizer? Que os adeptos voltaram, em Alvalade, a fazer-lhe a vénia e isso, lembremos, é um privilégio que tocou a poucos jogadores na história do Benfica.

Foram 14 os utilizados no jogo de Alvalade. Faltam aqui os que estiveram no banco e não entraram. Os que foram convocados e ficaram na bancada. E até os que não foram convocados. Temos de lembrá-los todos. Porque no Benfica, como se sabe, *todos contam*. Mesmo.

E estes recordes – como o das 17 vitórias seguidas fora de casa, ou a melhor 1.ª volta de sempre que acabamos de conseguir, pertencem a todos eles.

Notas finais:

Em Alvalade, *o Benfica jogou apenas 3 dias depois de ter tido um jogo difícil*, para a Taça de Portugal, frente ao Rio Ave. O Sporting estava há uma semana a preparar o dérbi e o último jogo que tinha feito foi em Setúbal, frente a uma equipa inferiorizada. Mais uma demonstração do mérito e do valor que devem ser atribuídos à vitória de ontem!

Não são – de todo – os orçamentos que definem as classificações. Se assim fosse, o Famalicão não estaria no 3.º lugar. Há provocações a que não vale a pena responder. Mas é bom registar.