“Para mim não é admissível que isto seja feito por pessoas presumivelmente ligadas ao Benfica”

Advertisement

Domingos Almeida Lima, vice-presidente do Benfica, saiu a público para condenar os mais recentes ataques de vandalismo que as casas do Benfica de Paris, Viseu e Almada foram recentemente alvo, afirmando que os autores destes atos são “presumivelmente” pessoas “ligadas ao Benfica” ou “alguém que não está satisfeito com o momento que se vive” no clube.

“As casas do Benfica têm sido vitimas sobretudo quando há jogos com os rivais principais do clube. Há inúmeras casas por esse país que sofrem atos de vandalismo mas o que se está a assistir ultimamente é ainda mais lamentável que é o facto de, presumivelmente, esses atos serem feitos por pessoas afetas ao Benfica. É lamentável e inqualificável. As casas de Paris, de Viseu, de Almada para dizer só as ultimas, refletem atos de vandalismo de simpatizantes (do Benfica) ou de alguém que não está satisfeito com o momento que se vive no Benfica. Isso para mim é profundamente lamentável”, começou por referir o dirigente, em declarações prestadas esta sexta-feira à BTV.

“O Benfica é, de todos os clubes portugueses, aquele que mais se identifica com a democracia e o que significa é que estas situações não podem continuar a existir e não podem ser toleradas. Só espero é que as autoridades se mantenham atos para que os atos não se voltem a repetir, e para que essas pessoas sejam castigadas por esses atos de vandalismo. Para mim não é admissível que isto seja feito por pessoas presumivelmente ligadas ao Benfica. Já para não falar dos outros [feitos por rivais]. Quando estou a condenar estes atos estou também a condenar outros atos feitos por alguém próximo do Benfica em relação a terceiros. O desporto não é isto, o futebol passa muito bem sem estas situações. Tem de ter a pedagogia interna própria para que este tipo de coisas não se voltem a repetir”, acrescentou.