Plantel do Benfica analisado por alguns expecialistas

Publicidade

O mercado de transferências está fechado até janeiro e o Benfica ataca o Bicampeonato com 29 jogadores. O Site Oficial falou com alguns especialistas (três treinadores e um ex-jogador) para analisarem à lupa o plantel, no seu todo e sector a sector.

Carlos Brito, Manuel Cajuda, João Carlos Pereira e o antigo lateral/extremo Luís Filipe examinaram ao pormenor as características e os pontos fortes do grupo de trabalho benfiquista.

Um dos aspetos incontornáveis nesta avaliação é a aposta clara – e bem-sucedida – que tem sido feita nos talentos do Clube, formados e desenvolvidos no Seixal. Bruno Lage tem ao seu dispor nove atletas provenientes dos escalões de formação dos encarnados e esse caminho foi bastante valorizado. Aliás, essa aposta verifica-se, ainda, na média de idades do plantel: 24 anos, um dos mais jovens da Liga NOS.

Publicidade

Benfica-FC Porto

Formação: aposta positiva do Benfica

Os três treinadores falaram da coragem que o Benfica teve em mudar de paradigma e apostar na prata da casa. Para Carlos Brito, treinador, de 55 anos, as águias são quem melhor proveito faz do seu centro de formação.

“Por princípio, o Benfica, tal como Sporting e FC Porto, sempre foram equipas que apostaram nas camadas jovens. O que me parece é que no Benfica há uma diferença: não só aposta na formação como lança os jovens. Todos têm academias, mas temos de analisar é quem tira proveito. O Benfica está a conseguir conciliar as duas coisas: bom trabalho no Caixa Futebol Campus e fazê-los chegar à equipa A. O Benfica está a ter o retorno da aposta nas camadas jovens”, sublinhou.

Manuel Cajuda, abordado pelo Site Oficial, considerou a formação “o verdadeiro viveiro do futebol”.

Belenenses SAD-Benfica

“O BENFICA ESTÁ A CONSEGUIR CONCILIAR O BOM TRABALHO NO CAIXA COM O PÔR JOVENS NA EQUIPA A”: CARLOS BRITO

“A formação é o verdadeiro viveiro do futebol. Se há no futebol português uma coisa que não falta no Benfica é talento para treinar talentos. Deve apostar-se na formação”, aconselhou.

Ex-coordenador da formação na academia Aspire Catar, João Carlos Pereira lembrou que o projeto dos encarnados tem de ser enaltecido.

“Vendo de fora, o plantel do Benfica está alinhado com o projeto desportivo e com a filosofia de aproveitamento dos jogadores da formação. É notória a intenção de valorizar e aproveitar os jogadores que são formados no Clube. Este é um projeto que tem de se enaltecer porque na realidade são muito poucos os clubes que conseguem aproveitar os recursos desenvolvidos dentro de casa”, reconheceu.

Benfica-FC Porto

Boas soluções para todas as posições de campo

Com 29 jogadores no total, 83% de internacionais – seleções A e jovens – e com cerca de 80% dos atletas a saberem o que é ser Campeão pelo Clube, seja na Formação ou nos Seniores, o Benfica confirma o selo de qualidade do grupo de trabalho e ataca todas as frentes com ambição. Para Carlos Brito, Manuel Cajuda e Luís Filipe é absolutamente imprescindível esta competitividade existente no plantel.

Carlos Brito considerou que, “para o Campeonato português e restantes competições, o Benfica é o clube que tem mais soluções“.

Já Manuel Cajuda frisou que “ao nível da competitividade, o plantel está muito bom“. “Ter competitividade é um bom primeiro passo para que todos deem o seu melhor por um lugar”, acrescentou o técnico.

Luís Filipe foi jogador de futebol durante várias temporadas e a sua experiência diz-lhe que é importante ter várias soluções de valia para todas as posições no terreno de jogo.

O facto de o Benfica ter soluções para todas as posições é absolutamente benéfico para a equipa. São as chamadas boas dores de cabeça para o treinador. Um clube como o Benfica tem de ter boas soluções em todas as posições mesmo que alguns não joguem”, apontou.

SC Braga-Benfica

Estabilidade e continuidade como fatores de sucesso

Praticamente todos os jogadores e o treinador permaneceram na Luz. Da equipa titular que fechou a época da Reconquista, apenas João Félix e Salvio saíram e Jonas terminou a carreira. Este é um pormenor que pode pesar na hora das decisões.

A estabilidade do plantel e a continuidade do treinador são claras mais-valias para o Benfica para a nova temporada”, afirmou Carlos Brito.

Manuel Cajuda seguiu pelo mesmo diapasão do colega de profissão e completou considerando um “ato de inteligência por parte da gestão do Benfica”.

Benfica-Paços de Ferreira

“TER PRATICAMENTE O MESMO PLANTEL É UM ATO DE INTELIGÊNCIA”: MANUEL CAJUDA

“Em termos da continuidade, o facto de ser praticamente o mesmo plantel da época passada, é um ato de inteligência por parte da gestão do Benfica. Foi Campeão com mérito e a continuidade é algo excelente”, enfatizou.

João Carlos Pereira lembrou que há a adaptação normal para quem chega de novo, mas adiantou que a capacidade organizativa do Benfica enquanto clube vai ajudar.

“O Benfica já tinha uma equipa forte e vai continuar a ter. Há jogadores que ainda precisam de se adaptar, mas, com o tempo e o trabalho desenvolvido, as coisas vão chegar a um rendimento ótimo. A vantagem do Benfica é que é um clube bem organizado. Não tem necessidade de estar constantemente a mudar os seus projetos e novas estruturas técnicas”, analisou.

Plantel 2019/20

Baliza

Bruno Lage manteve a aposta e confiança nos três guarda-redes que terminaram 2018/19. Com 22 anos de média, a baliza é o local do campo com os futebolistas mais jovens.

Neste particular, Odysseas, internacional A pela Grécia, onde chegou como jogador das águias, e pelas seleções jovens da Alemanha, mereceu rasgados elogios dos técnicos Carlos Brito e João Carlos Pereira.

“O Odysseas tem sido uma grande mais-valia”, disse Carlos Brito sobre o grego.

João Carlos Pereira ficou impressionado pela qualidade evidenciada pelo camisola 99.

“O Odysseas foi um jogador que me surpreendeu. Ele está num bom momento de forma”, admitiu.

Plantel 2019/20

Defesa

Dois dos capitães da equipa – Jardel e André Almeida – e quatro elementos da formação integram uma defesa que apresenta soluções para todos os gostos e uma média de idades na ordem dos 24 anos. Manuel Cajuda, João Carlos Pereira e Luís Filipe consideram que qualidade não falta no sector mais recuado.

O Benfica tem muita capacidade técnica no sector defensivo. Do André Almeida ao Grimaldo, passando pelos dois defesas-centrais que jogam e mesmo os que não têm jogado tanto [Jardel e Conti], a qualidade é muito grande”, analisou Manuel Cajuda.

SC Braga-Benfica

“UM CLUBE COMO O BENFICA TEM DE TER BOAS SOLUÇÕES EM TODAS AS POSIÇÕES”: LUÍS FILIPE

O ex-coordenador geral da Aspire Catar, João Carlos Pereira, realçou a dupla de centrais e um lateral bastante ofensivo.

O Rúben e o Ferro fazem uma ótima dupla e há que aproveitar a sua juventude e a sua irreverência. O facto de se manter o Grimaldo, para mim, é uma vantagem tremenda“, destacou.

Luís Filipe fez grande parte da carreira como defesa-direito e no momento da análise não esqueceu… André Almeida.

“O André [Almeida] é um dos laterais-direitos da equipa e, não havendo a possibilidade de jogar, é normal que haja uma adaptação. É sempre mais fácil adaptar um lateral, mesmo que esteja a jogar com o pé contrário, porque já conhece as rotinas”, recordou ao falar da titularidade Nuno Tavares no lado direito da defesa nos quatro primeiros encontros oficiais da temporada.

Plantel 2019/20

Meio-campo

Este é o sector mais experiente (média de 25 anos) e onde, segundo Carlos Brito e Manuel Cajuda, o Benfica tem várias e muito boas soluções, que permitem a Bruno Lage bastante variedade do ponto de vista tático.

“Ter Fejsa é bom para o equilíbrio de um sector como o meio-campo. É sempre uma solução em caso de lesões. O Benfica tem conseguido dar uma boa capacidade de resposta com jovens. O meio-campo tem várias soluções, nomeadamente para o miolo”, vincou Carlos Brito.

“O meio-campo do Benfica tem qualidade a mais [risos]. Tem jogadores que permitem ao treinador atuar em vários sistemas táticos ou com dinâmicas diferentes”, elevou Manuel Cajuda.

Plantel 2019/20

Ataque

Com uma média de idades perto dos 24 anos, o quarteto do ataque (Seferovic, Raul de Tomas, Vinícius e Jota) oferece soluções para táticas e dinâmicas diferenciadas. Manuel Cajuda e Luís Filipe reconhecem que o Benfica soube ultrapassar as saídas de João Félix e Jonas.

Presidente

“UMA DAS VANTAGENS DO BENFICA É SER UM CLUBE ORGANIZADO”, JOÃO CARLOS PEREIRA

“O sector ofensivo está muito bem servido individualmente“, considerou o treinador de futebol.

Já Luís Filipe sublinhou que “o Benfica foi cirúrgico nas contratações que fez“. “Contratou para as posições que precisava, sobretudo para o ataque, depois das saídas de Jonas [fim de carreira] e João Félix [transferido para o Atlético de Madrid]”.