Em 3 meses não publicaram um único dado sobre o que vem na capa do público hoje. E porquê? Porque o Benfica não perdeu a oportunidade de passar para a frente, porque não andaram a praticar crimes contra os jogadores do Clube da Luz, porque não havia eleições no FC Porto, suspensão de acções no FC Porto e adiamento dos empréstimos obrigacionistas.

Esta táctica é muito usada pela comunicação do FC Porto, CMTV, TVI, JN, Expresso e Ojogo. Podem não ter conteúdo novo, reciclam notícias para manter o foco no ataque ao Benfica. Infelizmente temos mais um jornal capturado que em tempos não se quis meter em assuntos de futebol. Antes de irmos ao autor, na encomenda de hoje, o jornalista do público diz que contactou vários especialistas em direito desportivo que confirmaram a ilegalidade dos contratos, mas não identifica um único. Porquê? Não há coragem?

Depois partimos para o circulo do grande polvo.

É mais um que pertence à ala radical de Ana Gomes, Tiago Barbosa Ribeiro(Lista de Pinto da Costa) e do Bloco de Esquerda através do Miguel Guedes. Vai uma aposta que nenhum destes intervenientes consegue escrever uma linha sobre as devoluções e empréstimos entre o FC Porto e o Portimonense? Único clube no mundo que aceita devoluções de jogadores sem receber um euro?

Vídeo: Como desmontar uma mentira de um deputado do FC Porto alegadamente associado à Rede para destruir o Benfica

O que vem hoje publicado no Público é um conjunto de situações normais(veja-se o Real Madrid e as clausulas de recompra) no mundo dos negócios, mas que são apresentadas com o recurso a expressões como “duvidoso” e outras equivalentes para dar a impressão de que há ali marosca.

O Paulo Curado acha estranho o D. Aves ter vendido um jogador do qual só tinha 30%? Este individuo sabe quem é o Bruno Gaspar ou o Rebocho etc? O Benfica fica com 50% da percentagem da venda dos jogadores. Não pode? O Real Madrid vendeu o Rodrigo com uma clausula de recompra que o Benfica conseguiu anular com a venda do Fábio Coentrão. Também foi um empréstimo camuflado?

Ridículos!