A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) quer saber quem é quem nos clubes e sociedades desportivas. O objetivo é “identificar proprietários, investidores e eventuais ligações a outras atividades que poderão ser consideradas incompatíveis com o futebol”.

Segundo a FPF, “trata-se de mais uma medida em nome da transparência e com o objetivo de proteger a integridade e credibilidade das competições”.

Com base nas novas orientações, os clubes e sociedades desportivas terão de comunicar à FPF, até ao início das competições, cinco informações essenciais para proteger a integridade a credibilidade das provas.

Assim, compete aos clubes e às SAD:

– indicar a relação dos titulares de participações no capital social da sociedade
– nomear quem detém o controlo ou exerça por direito a administração, gerência ou direção e a gestão de facto da sociedade ou clube
– assinalar a eventual participação, direta ou indireta, das pessoas identificadas noutras sociedades
– referir se alguém exerce outro cargo noutros clubes ou sociedades
– revelar qualquer ligação a casas de apostas sediadas em Portugal ou no estrangeiro.”

Para cumprir o estabelecido e prestar as informações exigidas, clubes e SAD deverão utilizar a Plataforma da Transparência criada no site da FPF.

“Algumas destas obrigações estão contempladas na lei, outras resultam da preocupação que a FPF tem em apurar quem são os investidores e donos dos clubes das competições nacionais”, segundo nota da FPF.

Posto isto tudo, a FPF não tem nada a dizer sobre o que se passa no FC Porto e Portimonense? Hoje é notícia que Fernando Andrade vai para o Portimonense. Já o responsável da SAD do clube algarvio tratou de todo o negócio de Nakajima para o FC Porto, por ter uma percentagem na SAD do FC Porto.

CONTINUAR A LER