As autoridades húngaras terão indeferido o recurso à extradição de Rui Pinto, obrigando o hacker a regressar a Portugal, segundo avança esta quinta-feira o Diário de Notícias.

Sublinhe-se que o tribunal metropolitano de Budapeste decidiu, no início deste mês de março, pela extradição de Rui Pinto para Portugal, para ser presente às autoridades no âmbito da investigação ao acesso aos sistemas informáticos do Sporting e do fundo de investimento ‘Doyen Sports’.

O português, colaborador do site ‘Football Leaks’, havia recorrido da extradição.

Rui Pinto está em prisão domiciliária em Budapeste desde 18 de janeiro, na sequência de um mandado de detenção europeu emitido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Na base do mandado estão o acesso aos sistemas informáticos do Sporting e do fundo de investimento ‘Doyen Sports’ e posterior divulgação de documentos confidenciais, como contratos de jogadores do Sporting e do então treinador Jorge Jesus, assim como de contratos celebrados entre a ‘Doyen’ e vários clubes de futebol.