“Saberemos ignorar as mentiras e quem nos quer dividir”

PUB

O presidente do Sport Lisboa e Benfica, discursou hoje para os 971 associados do clube, hoje homenageados.
 
Rui Costa tem sido um presidente muito agregador e deixou vários pedidos aos benfiquistas e não poupou nas palavras para a imprensa que tem colocado mentiras atrás de mentiras.
 

“Nas últimas semanas, temos assistido a uma crescente campanha de desestabilização do nosso clube. Saberemos ignorar as mentiras e quem nos quer dividir. Saberemos seguir o rumo que traçámos para o clube e que nos vai deixar mais próximos das vitórias que queremos, do patamar de excelência que ambicionamos. Que saibamos estar unidos em torno do nosso clube e dos seus valores e não reféns daqueles que lá fora nos querem prejudicar. Juntos, unidos, na defesa intransigente deste nosso clube centenário face a todos aqueles que não nos querem bem.

PUB

Já o disse e repito, porque essa é a minha convicção profunda, unidos poderemos ser imbatíveis. Sim, unidos poderemos ser imbatíveis.”

 

Discurso completo do presidente do Benfica.

Caros colegas de direção e membros dos órgãos sociais do Sport Lisboa e Benfica,

Caros antigos jogadores, que honraram a nossa camisola e que hoje nos enobrecem com a sua presença,

Caros associados, que hoje recebem as mais relevantes distinções pela sua ligação ao clube,

Caras e caros Benfiquistas,

Na minha primeira cerimónia de entrega dos emblemas de dedicação e mérito enquanto presidente do nosso Sport Lisboa e Benfica, não poderia deixar de vos transmitir a enorme honra, a tremenda responsabilidade e o enorme orgulho que sinto neste momento.

Honra por presidir ao maior clube português, um dos maiores do mundo e a nossa paixão comum.
Responsabilidade porque somos o Benfica, a maior marca de Portugal, reconhecida globalmente.

Orgulho por ser um de vós. Ainda antes de ser presidente, de ser dirigente ou jogador, já eu vibrava com este maravilhoso clube. Já era um entre muitos, numa expressão clara da união, da força e mística que fazem a nossa história.

Honra pelo voto de confiança que, nas eleições do passado dia 9 de outubro, vocês sócios conferiram à nossa equipa e ao nosso programa.

Responsabilidade, muita, ainda maior: um mandato conferido na mais elevada participação eleitoral de sempre num clube português, a segunda maior a nível mundial.

Estes órgãos sociais foram eleitos pelo maior número de sócios e de votos em toda a sua história e isso traduz uma exigência acrescida, à qual não podemos falhar.

Orgulho porque também eu já estive nessa plateia para receber o emblema de prata, e sei bem o quão marcante e simbólico este momento representa no nosso percurso enquanto associado do Sport Lisboa e Benfica.
Honra por representar os melhores sócios e adeptos do mundo. Tive privilégio de jogar em grandes palcos e em muitos países e é com orgulho que vos digo que ninguém tem uma massa adepta como a nossa.

Que vibra e acompanha o Benfica, em qualquer parte do mundo, de uma única, singular e inigualável em qualquer outro clube.

Responsabilidade porque somos um clube com uma história impar, que devemos honrar a cada segundo, e com um conjunto de princípios e valores que em nenhum momento poderão ser colocados em causa.

Orgulho porque hoje homenageamos os sócios do Benfica e a sua ligação ao clube.

Que ninguém duvide que são todos vós, todos nós, associados, aquilo que de mais valioso e precioso o Benfica tem. É nos sócios que reside a nossa maior força.

É a importância dos nossos sócios, no ano em que celebramos 117 anos de história, que torna este momento tão especial.

Hoje vão ser entregues 653 emblemas de prata aos associados que atingem os 25 anos de sócio, 226 emblemas de ouro aos sócios com 50 anos de militância no nosso clube e, digo-o com um tremendo orgulho, 92 anéis de platina para quem perfaz 75 anos de sócio.

No total, homenageamos hoje 971 sócios. Número que expressa bem a nossa grandeza.
Entre os muitos agraciados, estão os antigos dirigentes João Alberto Magro Diogo, Porfírio Alves e Luís Tadeu, o meu querido treinador nos infantis Arnaldo Teixeira e a nossa Glória, nosso capitão e nosso símbolo, Humberto Coelho.

A todos e a cada um de vós, o nosso justo reconhecimento pelo compromisso para com o clube do nosso coração.
A todos e a cada um de vós, em nome do Sport Lisboa e Benfica, a nossa vénia e uma calorosa salva de palmas.

Caras e caros Benfiquistas,

Na primeira reunião desta direção foram definidos os seis eixos estratégicos para este mandato:
– o plano desportivo
– a primazia dos sócios e adeptos
– a sustentabilidade financeira
– a revisão estatutária
– uma comunicação eficaz e
– as infraestruturas

Em paralelo com esses pilares, pretendemos um Benfica que se paute, sempre, pela clareza em todos os processos e que promova a união da família benfiquista.

O nosso Benfica está forte e sabe bem o caminho que quer trilhar.

Mas que ninguém tenha dúvidas: para alcançar o que todos pretendemos alcançar, para chegar onde todos ambicionamos chegar, é fundamental que estejamos unidos e coesos. Todos.

Foi sempre quando estivemos mais unidos e coesos que conseguimos ganhar.

É este o apelo de união e coesão que faço a todos os adeptos do Benfica.
Este apelo de união que eu vos faço é uma exigência que, em primeiro lugar, tenho para comigo próprio.

É o meu compromisso para com todos os associados. Serei o primeiro a unir e serei o primeiro a recusar qualquer divisão.

E por ser uma forma de estar e não apenas meras palavras que embelezam um qualquer discurso, fiz questão de reunir diferentes sensibilidades e visões quanto ao futuro do Benfica na Comissão que criámos para a revisão dos estatutos.

Caras e caros benfiquistas,

Nas últimas semanas, temos assistido a uma crescente campanha de desestabilização do nosso clube.

Saberemos ignorar as mentiras e quem nos quer dividir.

Saberemos seguir o rumo que traçámos para o clube e que nos vai deixar mais próximos das vitórias que queremos, do patamar de excelência que ambicionamos.

Sabemos bem que futuro queremos para o Benfica e que caminhos temos a percorrer.

E para esse propósito, temos objetivos bem delineados.

E apenas esses objetivos – as vitórias em campo, o cumprimento das expectativas dos nossos associados e adeptos, a sustentabilidade financeira e a modernização do clube – condicionarão o nosso mandato.

Caras e caros benfiquistas,

Dois dias depois de passarem os 100 anos do nascimento de Borges Coutinho, permitam-me relembrar um dos marcos que as suas presidências deixaram para a história do Sport Lisboa e Benfica.

Não me refiro a títulos.

Nem me refiro a obras.

Mas sim, e tão só, à sua extraordinária capacidade de gerar consensos e à sua perceção de que unindo as diferentes sensibilidades, que se manifestavam em torno do Benfica, seria mais fácil alcançar o sucesso que todos ambicionavam.

Se hoje relembro Borges Coutinho, se hoje o relembro de forma humilde, é por acreditar que este, e talvez só este, seja o caminho.

Ou nos unimos e mantemos coesos ou mais difícil será ao clube atingir aquilo que todos nós ambicionamos.

É esse o desafio que hoje gostaria de vos deixar. A todos, sem exceção.

Que nos acompanhem neste percurso, de forma militante e ativa, concordando ou discordando, mas sempre respeitando a instituição Sport Lisboa e Benfica.

Que saibamos estar unidos em torno do nosso clube e dos seus valores e não reféns daqueles que lá fora nos querem prejudicar.

Juntos, unidos, na defesa intransigente deste nosso clube centenário face a todos aqueles que não nos querem bem.

Já o disse e repito, porque essa é a minha convicção profunda, unidos poderemos ser imbatíveis. Sim, unidos poderemos ser imbatíveis.

Vivam os sócios do Sport Lisboa e Benfica!

Viva o nosso grande Sport Lisboa e Benfica!