“Uma dualidade de critérios grande na mostragem de cartões azuis”

Advertisement

Pela voz de Rui Lança, diretor das modalidades de pavilhão, o Benfica denuncia o que considera ser a «dualidade de critérios grande» das arbitragens nos jogos com o FC Porto, relativos à meia-final do play-off do Campeonato Nacional de hóquei em patins.

As águias venceram os dois primeiros jogos, no Dragão Arena, tendo sido derrotadas nos dois compromissos seguintes, no Pavilhão da Luz. A ‘negra’ está marcada para quinta-feira, às 15 horas, no reduto dos azuis e brancos.

«Nós, no Dragão Arena [jogos 1 e 2], tivemos uma postura diferente, e o FC Porto, possivelmente, ficou surpreendido com a nossa abordagem e estratégia. Tal como o FC Porto teve uma abordagem diferente no jogo de quarta-feira [26 de maio]. O jogo desta quinta-feira vai ser completamente diferente, porque não há oportunidade de corrigir o erro. Vai ser um jogo em que quem errar menos vai ganhar, e eu espero que o jogo seja decidido porque houve um jogador que esteve melhor à frente da baliza, ou porque os guarda-redes foram melhores ou piores. Seria muito bom para este jogo, e até para a final, que as partidas fossem decididas pelos verdadeiros intervenientes, que são os jogadores», salientou Rui Lança, em declarações à BTV, reproduzidas no site do Benfica, sublinhando que se tem «assistido a uma dualidade de critérios grande na mostragem de cartões azuis.»

«O que o Benfica tem demonstrado às duas entidades responsáveis pela organização – a Federação de Patinagem de Portugal e Conselho de Arbitragem – é o desenvolvimento de situações para que a aplicabilidade das regras seja uniforme para que os candidatos ao título tenham um tratamento igual», referiu o diretor dos encarnados, lembrando que «a grande maioria dos melhores jogadores do mundo» atua em Portugal.

Por isso, considera que «o que tem de haver é uma exigência de todas as partes para haver melhorias, e elas têm de acontecer para que a equipa que vence sinta que o faz com igualdade entre todos.»