Vice do Benfica: “É difícil e singular esta decisão de aplicar uma multa de 1150 euros pela tarja no estádio do FC Porto”

Vice-presidente do Benfica assegura que o clube confia na imparcialidade das instituições e que continuará a contribuir para que o ruído e a guerra não entrem dentro das quatro linhas.

O Benfica considera de entendimento “difícil e singular” a decisão do Conselho de Disciplina, da FPF, ao castigar com 1150 euros de multa a tarja exibida pela claque do FC Porto, SuperDragões, com imagens de árbitros, ministros e juízes, equipadas com as cores do clube da Luz.

Publicidade

Varandas Fernandes, vice-presidente benfiquista, fala de uma tela “injuriosa”, mas recusa ir mais além, pois em declarações a Bola Branca assegura que nas águias se “confia na imparcialidade” das instituições. Aliás, o dirigente não quer mais “guerra ou ruído” em redor do desporto que só deve ser jogado “dentro das quatro linhas”.

“É difícil e singular esta decisão de aplicar uma multa de 1150 euros pela tarja no estádio do FC Porto. É uma tarja injuriosa para as mais variadas instituições e entidades. Benfica tem tido castigos de jogos à porta fechada por adeptos usarem símbolos de claque. Refletimos a realidade dos factos e somos livres de o fazer, e fazemos. Queremos acreditar que há isenção e imparcialidade nas instituições”, disse.
O dirigente encarnado refere que na Luz o lema é “ganhar sempre”, mas dentro das “regras”, haverá disponibilidade para “colaborar com todas as instituições” sem deixar de estar “atento a tudo”.

A multa surgiu devido a uma tarja que os adeptos do Porto exibiram na receção ao Sporting, a contar para a 34.ª e última jornada do campeonato da temporada passada.

Na tarja, podia ver-se um onze inicial com o equipamento do Benfica e a cara de vários árbitros e outras figuras do desporto, justiça e política nacionais, incluindo a do primeiro-ministro, António Costa. Por baixo, surgia a legenda: “Campeões Nacionais 18/19.”