O Benfica já reagiu ao arquivamento da queixa contra Brahimi através do vice-presidente Varanda Fernandes.

“Perante o recorrente gesto de Brahimi, como é teve de ser o Benfica a fazer a sua análise? Como é possível não ser apreciada esta atitude no último jogo do FC Porto? Em situação idêntica, Samaris foi objeto de processo e punição de três jogos de suspensão. Fomos hoje [quinta-feira] informados do arquivamento do processo e que da visualização destas imagens não resulta clareza sobre o comportamento denunciado, que não se vê nada de forma evidente, inequívoca e clara”, assinalou o vice-presidente do Benfica, prosseguindo:

“O recorrente gesto de Brahimi passa a ser um gesto de difícil interpretação. Infelizmente não é ironia. Esta decisão é mesmo uma realidade. Este episódio está ao nível dos históricos episódios da fuga dos árbitros à frente dos jogadores e colocam a autoridade das instituições nas ruas da amargura. Não é possível existir uma competição com regras claras e idênticas para todos os clubes com uma exceção, para quem tem processos em análise por ameaças a árbitros, é porta-voz de roubo de informação confidencial, insulta a equipa de arbitragem. Perante isto, ainda beneficia de critérios difíceis de entender e de justificar. O ambiente de coação e ameaças sobre os árbitros tem de acabar. Precisam de sentir que têm quem os defenda. Queremos regulamentos e regras iguais para todos”, atirou Varandas Fernandes.