Ferrari venceu a corrida com 14 condutores e a culpa é do Benfica

4659

15800525_10158011539600716_6986723026008409889_o
O campeonato voltou depois de uma pausa para o Natal e Ano Novo. Costuma-se dizer “ano novo vida nova”, mas entrámos em 2017 como se tivéssemos entrado num outro ano qualquer entre 1986 e 2004 no que toca ao futebol. Nesse período temporal havia o Guarda Abel, o Guimaro e os quinhentinhos, o Garrido, o Calor da Noite, as viagens ao Brasil/Viagens Cosmos ou o Calheiros. Hoje é o líder dos Super Dragões que faz de Guarda Abel e nestes tempos modernos, tudo é doutor. Foi como se os anos de apito dourado tivessem regressado por uns dias.

Foi de facto uma vergonha o que se viu nas televisões. Deu-se tempo de antena a criminosos e reforçou-se na segurança dos árbitros. Não seria mais fácil prender os criminosos? Coagiram o árbitro do Vitória-Benfica e por momentos viu-se um árbitro condicionado.

Ao jogo dentro das 4 linhas. Rui Vitória levou até à Cidade-Berço um 11 com alterações. Fez descansar Gonçalo Guedes e Rafa para dar lugar a Jonas e Salvio. No modo geral a estratégia montada resultou na perfeição. Rui mudou as peças e qualidade manteve-se.

Os primeiros 15 minutos pertenceram ao Vitória Sport Clube. Muito atrevidos, muito pressionantes chegando a causar muitos problemas à equipa do Benfica. E se o Vitória estava a causar problemas, o Benfica vê em Fejsa mais um problema. No sprint que deu para cortar a bola, o médio é pisado e fruto dessa lesão, entrou Samaris. Não se notou a diferença.
Depois veio o golo. Grande iniciativa de Salvio a culminar no primeiro golo de Jonas para o campeonato.
– Que marques muitos!!!
Após o tento marcado, os jogadores do vitória começaram a jogar com a pressão feita ao árbitro dias antes. Deixaram de jogar futebol para se queixarem de tudo o que ia acontecendo. Se de um lado o Benfica ganhava o meio campo e produzia no ataque, no sector defensivo a muralha crescia. Ederson e Luisão foram os obreiros de uma baliza inviolável. Ainda há gente a questionar a titularidade do capitão?

O segundo golo nasce de forma natural. Lindelof tenta cortar um contra-ataque (foi advertido com cartão amarelo), o árbitro dá a lei da vantagem como mandam as regras e assim que o Vitória perde a bola o jogador que tinha sido agarrado, atirasse para o chão. Tanto o Benfica como o árbitro fizeram o seu trabalho. O Vitória decidiu imitar o FC Porto e amigos. Jonas assiste e Mitroglou finaliza. A dupla da época passada volta a provocar estragos num campo bastante difícil.

A segunda parte foi como um músico chamado “Badoxa” canta: “controla, controla, controla”. Um Vitória muito superior porque o Benfica permitiu fruto do resultado. Arriscado, mas é de treinador que confia nos seus jogadores.

A nota final vai para o ambiente. Dos poucos estádios em Portugal que se vê um grande ambiente, mas recepção meteu o Vitória ao nível de um campo da distrital. A culpa é de uma liga que não faz vistorias e não se preocupa com os adeptos. Mas também quem prefere gastar dinheiro em segurança de prevenção em vez de se prender os criminosos, não podemos esperar outra coisa.

c1lc9xpwgaanhvz

Uma vergonha as condições a que os adeptos estiveram sujeitos. E os preços dos bilhetes quais foram?


COMPARTILHAR