Sem a CMTV em cima, Bruno de Carvalho é constituído arguido

Bruno de Carvalho saiu ontem como arguido do DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal), em Lisboa, depois de ser ouvido no âmbito de uma queixa-crime interposta por João Pedro Paiva dos Santos. As acusações vão desde difamação a devassa da vida privada, passando por violação de correspondência ou de telecomunicações e instigação pública a crime.

Não vimos a CMTV ou qualquer outro canal a dar cobertura em direto tal como aconteceu com o Benfica. Simplesmente não se falou no assunto ao minuto.

Além de BdC, vão ser inquiridos pelo DIAP o diretor de comunicação dos leões, Nuno Saraiva, bem como Rui Miguel Mendonça e Sérgio Sousa, ambos da direção da Sporting TV. Na origem do diferendo está uma publicação de Facebook de Bruno de Carvalho, cujo conteúdo foi entretanto replicado por Saraiva e pelo canal de televisão do clube, em que BdC acusa Paiva dos Santos de se coordenar com Pedro Guerra no sentido de pedir uma auditoria ao primeiro mandato do atual líder leonino (2013-2017).

Numa das noticias do jornal record, vem a explicação encomendada de que “o ato de constituição como arguido é um procedimento normal, sempre e quando a denúncia não é… disparatada e o Ministério Público encontra factos minimamente consistentes na acusação, como foi o caso ontem com Bruno de Carvalho. Ainda assim, sublinhe-se, o processo está apenas em fase de inquérito. Só quando esta terminar e a matéria apurada for entregue a um juiz é que este decidirá se deduz acusação e avança para julgamento ou se, pelo contrário, opta por arquivar.

Lembram-se do que este mesmo jornal, que pertence ao grupo Cofina, disse em relação aos casos do Benfica? claro que lembramos. Acusavam tudo e todos dando certo que eram culpados. Mas como se trata do presidente do Sporting, vem a explicação.