Muito por investigar na transferência para o Estoril dias antes do Estoril-FC Porto e muitos factos

Depois do maior enterro de todos os tempos no canal que é pago com os nossos impostos, recuperamos uma notícia interessante na altura em que se falou das comissões alegadamente recebidas por Alexandre Pinto da Costa na altura em que

Segundo o Observador o filho do presidente do FC Porto poderá ter recebido vários milhares de euros de forma ilegal pela transferência de jogadores do clube. O Expresso que na altura se preocupava com a sua reputação, apontou vários negócios, dois deles em 2013. Num caso, a Energy Soccer, detida pelo agente e empresário, filho de Jorge Nuno Pinto da Costa, participou na transferência de Carlos Eduardo do Estoril Praia para o FC Porto. Recebeu 100 mil euros do Porto e, no ano seguinte, outros 68.400 do Estoril. Em causa, nas duas faturas emitidas com uma diferença de alguns meses, estava a mesma transferência, o que representa uma violação da legislação nacional, citada pelo semanário: “A pessoa que exerça a atividade de empresário desportivo”, como acontecia com Alexandre Pinto da Costa, “só pode agir em nome e por conta de uma das partes da relação contratutal”, prevê a legislação (lei 28/98, que estabelece um novo regime jurídico do contrato de trabalho do praticante desportivo e do contrato de formação desportiva).

Ora Carlos Eduardo é o tal da suposta divida antiga que Francisco J Marques falou ontem no programa e que não aparece em nenhum dos últimos relatórios e contas. Há tanto por investigar e tantos factos que merecem uma grande investigação que a imprensa não está a dar destaque.

A factos:

  1. O jogo foi adiado para lá das regras quando o FC Porto estava a perder ao intervalo
  2. O LNEC disse que a bancada nunca esteve em risco
  3. Semanas antes da segunda parte há uma transferencia de mais de 780 mil euros do FC Porto para o Estoril Praia
  4. O Estoril não joga nada essa segunda parte.
  5. Luís Ferreira, que foi advogado do Apito Dourado, validou um golo em fora de jogo perante sorrisos do árbitro Vasco Santos.
  6. César Boaventura entra em campo de denuncia uma investigação interna do Estoril
  7. Treinador do Estoril nega a mesma investigação
  8. Abner é devolvido ao Real Madrid
  9. Pedro Monteiro, agenciado pelo Pedro Pinho(na foto), perde a titularidade.
  10. César Boaventura fica sem conta de facebook por divulgar o que os jogadores do Estoril fizeram no jogo
  11. Há uma denuncia anónima em que o FC Porto classificou de “pseudonotícia que só pode ser uma tentativa frustrada de desestabilizar a nossa equipa fora de campo.”
  12. Francisco J Marques confirmou a transferência falando de uma divida antiga ao Estoril.
  13. Divida que não consta nos relatórios e contas. Um clube que tem um orçamento anual de 3,5 milhões, espera 3 anos por 700 mil euros??? Estranho.
  14. Francisco J Marques diz que o FC Porto não podia dever a treinadores e jogadores se não nem podiam fazer o licenciamento da UEFA. Sendo que a dívida é de 2015, como é que eles fizeram o licenciamento em 2016 e 2017?
  15. Francisco J Marques recusa divulgar a factura.

Subscrever Blog via email

Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 1.255 outros subscritores

Siga-me no Twitter