Uma jóia de denúncia na ADoP

Advertisement

O Ministério Público recebeu duas denúncias a acusar Jorge Pires, agente de Pedro Gonçalves, jogador do Sporting, de ter subornado dirigentes da Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) e do Colégio Disciplinar Antidopagem (CDA) para que o futebolista não fosse suspenso preventivamente depois de supostamente testado positivo num controlo de substâncias, feito no final do Tondela – Famalicão, a 5 de julho de 2020. De acordo com as denúncias, reveladas esta sexta-feira pelo semanário Novo, o objetivo seria evitar a suspensão preventiva do jogador e não hipotecar assim as hipóteses de uma transferência do Famalicão para um dos grandes — cenário que acabou por efetivar-se no mês seguinte, quando a 18 de agosto o jogador, também conhecido como Pote, assinou pelo Sporting, por 6,5 milhões de euros. Também de acordo com o jornal, o Ministério Público abriu entretanto um inquérito-crime e está a investigar as suspeitas de corrupção que recaem sobre Jorge Pires.

Segundo as denúncias, o agente de Pote terá despendido de um total de 80 mil euros para não colocar em causa a comissão que iria receber com a transferência do jogador — cerca de 900 mil euros, também de acordo com o Novo. Garantem as denúncias citadas, os 80 mil euros terão sido alegadamente pagos em duas partes a dirigentes das autoridades nacionais de antidopagem.

Há um dado curioso que a imprensa não está a revelar. A denuncia anónima refere quase todas as pessoas da ADoP menos o instrutor do processo que curiosamente, sugere o arquivamento do processo. Também é importante dizer e se fosse um jogador do Benfica gostaria que fizessem a sua defesa, Pedro Gonçalves nunca testou positivo no controlo anti-doping e como tal é importante frisar isso.

Estas denuncias anónimas têm como alvo a ADoP e só determinadas pessoas da ADoP. É bom que se investigue todo o processo mas também é bom que se investigue quem está a fazer falsas denuncias. Não é difícil de chegar lá.