— Têm-se ouvido muitas queixas da arbitragem, por parte dos principais rivais do Benfica. Como analisa essa questão?
— Vamos a factos concretos: o Benfica, esta época, com o Setúbal e o Marítimo, foi prejudicado por erros de arbitragem com reflexos diretos nos resultados. E penalties claros, nem se fala. Basta lembrar o último jogo com o Rio Ave. Mas como um conhecido comentador disse, a diferença é que o Benfica resolve esses problemas ganhando mais vezes. No deve e no haver, as queixas que oiço por aí só têm um objetivo, o de condicionar os árbitros e desviar as atenções de sucessivos maus resultados. Nas competições europeias também foram os árbitros portugueses? Sente-se mesmo uma campanha de condicionamento criando uma ideia, que depois quando tudo analisado, nada tem a ver com a realidade concreta do balanço das arbitragens.

— E como analisa aqueles que assumem que têm a melhor equipa portuguesa? O Benfica é o melhor porque está à frente?
— O que eu não tenho dúvidas e o que pretendemos é que o Benfica seja a mais humilde, determinada e ambiciosa equipa em todos os jogos. Quanto ao resto, no fim é que se fazem as contas. E nesta casa há muito que existe um conjunto de princípios que sabemos serem o caminho para o sucesso: trabalho, muito trabalho, respeitar todos os adversários por igual, pouca conversa e juntos somos mais fortes.

— Está como seu castigo de dois meses suspenso por uma decisão do TAD. Muitos benfiquistas dizem ser incompreensível que só no seu caso tenha existido uma decisão célere do CD da FPF. Como comenta?
— Começa a ser estranho que a justiça seja muito célere nuns casos, e ainda bem, mas noutros exista como que um apagão. Processos que vêm desde o ano passado ou atuais não existem quanto a alguns protagonistas. E para quem assista à distância, ver o castigo que me queriam aplicar por umas pretensas palavras em ambiente privado, comparando com aquilo que se ouve todos os dias, de acusações públicas a tudo e todos levantando suspeitas e nada, acontece, deixa naturalmente perplexas as pessoas. Lamento porque tudo isto só descredibiliza essas entidades. Mas apesar de tudo, com a entrada neste novo ano, espero que se cumpra aquela máxima, ano novo vida nova com justiça célere para todos.

COMPARTILHAR