Luís Filipe Vieira desde cedo defendeu a importância da criação de um canal de televisão do Sport Lisboa e Benfica. Não estava enganado. Aos olhos de muitos estava a ser demasiado otimista, mas o tempo deu-lhe razão.

Noutros países, as televisões de clube não vingaram. Em Portugal, e com o Benfica, foi diferente. A MEO percebeu a vantagem de ter a Benfica TV na sua oferta, foi com ela que ultrapassou a barreira do milhão de lares. O canal revelou-se diferenciador, procurado e desejado.

A Benfica TV tornou-se num caso de estudo. Superou a barreira dos 300 mil assinantes ao desdobrar-se em dois canais para exibir competições. A estratégia fez-se Premium. Com totais impressionantes, os subscritores ligaram-se à BTV1 e BTV2, em HD.

A prova de que deixara de ser um canal de clube para se transformar num fornecedor de conteúdos de grande audiência foi-se tornando cada vez mais evidente. A inovação, preocupação constante na história com quase onze anos, tem levado a BTV a arriscar-se em novos objetivos e a superá-los.

O acordo celebrado entre o Sport Lisboa e Benfica e a NOS é o reconhecimento da qualidade, do número de assinantes, das audiências e do valor da marca BTV. Os três prémios “Cinco Estrelas” de melhor canal de desporto em Portugal, ganhos em três anos consecutivos, também o comprovam. A BTV é ainda o primeiro e único canal de clube do mundo a exibir os jogos da equipa principal realizados em casa, a contar para o campeonato.

Mais uma vez, não há termo de comparação, para além de nós não existe ninguém.

Talvez por isto surjam pontualmente algumas críticas, seja por despeito, por inveja, ou incapacidade procurando defender que, como canal de clube, não deveria transmitir os jogos da Liga NOS.

Bastaria fazer a comparação, que não se faz mas que se justifica fazer seriamente, com os jogos da Liga NOS transmitidos pela Sport TV, para perceber as diferenças sobre quem mostra o que há para ver e quem o faz melhor.

A BTV faz emissões de muitas e muitas horas em dia de jogo do Benfica. Comparativamente, a BTV usa mais câmaras, drones, realidade aumentada e posições de câmaras BTV, incluindo apontadas às linhas de baliza; a BTV difunde verdade e não deixa de exibir os lances tal qual eles acontecem durante o direto.

Um simples exemplo da capacidade de isenção que fala por si: no último grande clássico na Luz, por quatro vezes, e não uma como de forma falsa houve quem o afirmasse, houve blocos com imagens dos adeptos da equipa adversária a festejar. No último jogo no Dragão, transmitido pela Sport TV, entre os mesmos clubes, só uma única vez houve em toda a transmissão imagens dos adeptos do Benfica.

Factos são factos e falam por si!

Ao longo destes onze anos a BTV fez escola e inspirou muita da aposta feita pelos canais generalistas nos seus canais por cabo na transmissão de jogos e programas de análise desportiva. Vemos também novos canais a nascer inclusive de iniciativa estatal e muitos dos profissionais criados nesta casa a ingressarem nesses projetos.

Temos orgulho e reconhecimento pela inovação constante, pela qualidade e isenção do projeto e por provarmos que, em Portugal, houve visão e liderança por parte de um clube para assumir pela primeira vez, em termos mundiais, a transmissão dos seus próprios jogos.

A BTV fez e faz Escola!