António Galamba: “O que não fazem uns discos encriptados com comunicações de pilares do sistema judicial”

Advertisement

Começou o julgamento do pirata informático. Continuou o branqueamento da personagem alegadamente justiceira defendida pelo mesmo advogado francês do impoluto Michel Platini, sempre com a cumplicidade dos acólitos do Norte, incluindo o megafone insolvente e o solvente transmontano.

O ridículo aparato de segurança é proporcional ao desespero do exercício de condicionamento da justiça por parte de responsáveis da administração da justiça.

O que não fazem uns discos encriptados com comunicações de pilares do sistema judicial.