Hoje saíram os resultados da APCT e tal como estava a espera, o Correio da Manhã e o Record deram mais um grande trambolhão no que toca a vendas. Isto vem em jeito de resposta a um sub-director de um destes jornais que não pára de escrever asneiras num destes jornais. Mas sobre esse tema abordaremos mais tarde com todo o gosto.

O Record infelizmente vendeu em média, durante o mês de Outubro, 26.343 exemplares! Digo infelizmente porque não se entende como ainda há gente que compre aquele pedaço de papel. A boa notícia é que foi o mês mais baixo em toda a história do Record! Para fechar um mês com média de 26.343, isso quer dizer que algumas edições já andam pelos 22 mil ou 23 mil. Em 2019 caem inevitavelmente abaixo dos 20. Mais: a queda de janeiro a outubro (os 10 meses já auditados) está em 11%. Uma das quedas mais forte de toda a imprensa nacional e o dobro (!) do seu concorrente O Jogo, que cai “apenas” 6% no mesmo período. Mais significativo ainda: na área da Grande Lisboa, o Record já vende apenas 9 mil exemplares. No Grande Porto, cerca de 2.500. Ou seja, está a tornar-se rapidamente irrelevante até nos principais centros urbanos.

O conselho que dou a esta gente é que continuem a dar palco a insinuações e a julgamentos em praça pública contra o Benfica que cada vez iram vender menos. Depois digam que a culpada é a tecnologia ou os blogs que incentivam a não comprar só porque há capas que não agradam. Capas que mais tarde se mostram falsas e infundadas. Mas o Record não é o único.

Não há memória de um mês tão fraco para o Correio da Manhã, ainda líder destacado da imprensa nacional: 77.167 exemplares em média/dia durante o mês de outubro. Longe vão já os tempos de João Marcelino, com vendas acima dos 120 mil… Com Octávio Ribeiro, o CM acumula em 2018 uma média de 80 mil exemplares/dia, contra os 87 de 2017 por esta mesma altura do ano. Ou seja, o CM está a perder 7 mil jornais a cada dia. Contas feitas, e como estão auditados cerca de 300 dias do presente ano, o jornal de Octávio Ribeiro já perdeu em 2018 mais de 2 milhões de exemplares, reduzindo a faturação nos primeiros 10 meses do ano em mais de 3 milhões de euros. E para quem tanto fala nos convites que o Benfica oferece para os seus jogos, o CM continua a oferecer, segundo o APCT, mais de 3 mil jornais a cada dia!!! Ou seja, este ano já ofereceu 900 mil exemplares… Coisa pouca!