Benfica ganha mais 3 milhões com a eliminação do FC Porto

Com o afastamento do FC Porto da Liga dos Campeões, o Benfica até acaba por permitir um ainda maior encaixe financeiro do que aquele que já estava assegurado com a vitória no último campeonato. Ao todo, os encarnados vão agora receber uma verba superior a 3 milhões de euros ‘extra’, face à conjugação de dois fatores: o ‘market pool’ e a subida das águias no ranking da UEFA a dez anos.

No que diz respeito ao referido ‘market pool’, a fatia reservada ao mercado português para esta época na casa dos 5 milhões de euros. E com a saída de cena do dragão, o valor será destinado na íntegra ao Benfica. Este é um montante que a UEFA reserva para dividir pelos 32 clubes participantes na Champions, mas sempre em função da dimensão do mercado televisivo do país que representem. O valor é fixado por cada federação, sendo depois dividido pelos clubes que participem na competição nesse ano. No caso de Portugal, que coloca um máximo de duas equipas, o campeão nacional tem direito a 55 por cento, enquanto a outra formação encaixa os restantes 45 por cento. Ora, em 2019/20, os azuis e brancos iriam então receber cerca de 2,25 milhões de euros, que desta forma vão diretamente para os cofres benfiquistas.

No entanto, a esta verba é ainda preciso somar mais cerca de 1,1 milhões de euros, que o emblema da Luz vê aumentar na receita da presença na fase de grupos pela subida direta no ranking de clubes da UEFA a dez anos. A queda dos dragões permite aos encarnados escalar diretamente na tabela e, aliada à ausência de Man. United e Arsenal, entrar para o 7º lugar da mesma. Se até aqui o Benfica tinha garantidos 42,95 milhões de euros, com esta subida de classificação passa a ter como certo o encaixe de 44,06 milhões. Isto, sem precisar sequer de pontuar na fase de grupos. Somando este valor ao referido ‘market pool’, é fácil constatar que a SAD encarnada já arranca para a nova época com a garantia de receita de quase 50 milhões de euros.

De resto, também os contratos comerciais que o Benfica tem firmados com os principais patrocinadores, como a Emirates, por exemplo, têm bónus previstos com o avanço da fase de grupos da Champions. Para já, outra consequência direta da quebra dos azuis e brancos está na conhecida passagem da águia para o Pote 2, evitando assim desde logo adversários como Real Madrid, At. Madrid, Borussia Dortmund, Nápoles, Tottenham, Ajax e Shakhtar Donetsk.

Melhorar a última performance

À partida para esta campanha na Liga dos Campeões, os responsáveis encarnados já frisaram publicamente que o objetivo passa por fazer melhor do que na última época e, pelo menos, passar da fase de grupos para os 16 avos-de-final. Em 2018/19, os encarnados caíram para a Liga Europa, ficando em 3.º lugar do Grupo E. Na altura, com sete pontos (duas vitórias e um empate) a renderem um total de 6,3 milhões de euros.

Bilheteira sempre favorecida

A juntar aos quase 50 milhões de euros com a presença na fase de grupos da Champions (entre prémio de competição e ‘market pool’), o Benfica tem sempre garantidos ainda alguns bónus com os contratos dos principais patrocinadores, mas também as receitas de bilheteira, pelo menos nos três jogos relativos à fase de grupos. O Red Pass também inclui a Champions em alguns sectores onde uma casa bem composta rende cerca de um milhão de euros.