Depois do seu número da lista dos juízes que com Pinto da Costa no olho do furacão dentro e fora das quatros linhas, Ana Gomes calou-se.

Por melhor que a dita lista se preste a um número televisivo, convém que seja verdadeira e credível. E a julgar pelos formatos que assumiu ao longo dos anos, nas suas várias vidas e publicações, Ana Gomes devia ter sido mais prudente. Não há sequer forma de perceber se os nomes que constam da versão em Excel são os mesmos que aparecem elencados no Twitter.

– Um dos principais critérios que determina se um tema é ou não notícia é a novidade. Ora, uma simples pesquisa no Google mostraria a Ana Gomes que o assunto foi notícia, pelo menos, em Setembro de 2018. Na altura, o Correio da Manhã confrontou António Joaquim Piçarra, recém eleito Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, com a dita lista e recebeu as mesmas explicações que Ana Gomes agora lhe exigiu. O assunto ficou esclarecido e morreu

Ana Gomes tem formação em direito e, portanto, devia desconfiar de um documento que atribui o título de “Juiz Conselheiro” a um Juiz em funções num Tribunal da Relação. Na 1ª instância estão Juízes de Direito, na Relação estão Juízes Desembargadores e no topo da hierarquia dos tribunais, o Supremo, estão os Juízes Conselheiros.

Não se sabe em que data foi produzida a lista, mas fala-se em 2011. O problema é que são referidos magistrados que subiram de categoria profissional em anos anteriores.

Partindo do pressuposto de Ana Gomes, de que a lista é uma prova da esfera de influência do Benfica na Magistratura, juízes jubilados desde 2003 serviam exactamente para quê? A troco de que favores é que o clube da Luz lhes oferecia bilhetes?

A questão da utilidade é válida também para alguns magistrados que constam da lista e que, à época, se encontravam em comissões de serviço fora do país. Vir de Bruxelas a Lisboa ao fim de semana é fácil, de Díli nem por isso…

Ana Gomes quer que cada um dos 44 juízes tome uma posição. A verdade é que o Presidente do Supremo, que é por inerência Presidente do Conselho Superior da Magistratura, respondeu por todos, mas para além disso, alguns já não estão vivos.

Portanto a notícia destes dias foi reciclada com o intuito de criar polémica em torno do recurso de Rui Pinto que foi indeferido. Tiro ao lado, mais um.