Depois de vos ter mostrado que as folhas de jornal estão em crise histórica, agora é a vez de vos mostrar o que escreveu um sub diretor de um desses jornais sobre o crime que atirou Bruno Simões para uma cama de hospital.

O que este “senhor” escreve é que os nossos adeptos podem ser atacados à vontade porque não temos moral para nos defendermos nem exigir o fim da violência. Tudo porque o Benfica não reconhece as suas claques. Mesmo sabendo que esses elementos de claque estão todos identificados no Benfica através dos RED PASS que possuem ao contrário de outros.

Perguntem ao pai do nosso adepto como ele se sentirá ao ler uma coisa destas;
Perguntem aos pais dos miúdos de oito, nove e dez anos que têm sido perseguidos, insultados…porque jogam nas equipas da Geração Benfica;
Perguntem aos adeptos da Casa do Benfica de Braga que viram a sua festa de Natal invadida por seis viaturas cheias de uma claque que fez questão de vir identificada;
Perguntem aos adeptos do Benfica que foram roubados e agredidos à porta do pavilhão do Águas Santas quando o Benfica foi defrontar a equipa local em andebol;

E podíamos estar aqui a noite toda. É por sub-directores como o Bernardo Ribeiro que isto está como está. É por aquelas maravilhosas capas a difamar o Benfica que caíram em saco roto, que o futebol caminha a passos largos para o abismo. Já tivemos de todo o tipo de violência no desporto, nós por cá condenámos sempre independentemente da cor e dos culpados. O mesmo não acontece em jornais como o Record porque o “senhor” Bernardo Ribeiro acha que não temos moral para nos queixarmos.