IMPEDIDOS DE GANHAR

Advertisement

O que ficou explícito em campo foi uma dualidade de critérios em matéria disciplinar, com um segundo amarelo perdoado aos 80 minutos a Pepe, seguido de uma anulação de uma jogada de golo. Uma dupla penalização para o Benfica, com influência no resultado. Nem amarelo, nem jogada de golo, quando já antes, em situações similares, o árbitro tinha deixado prosseguir a marcação da falta.

A ausência de segundo amarelo é ainda mais incompreensível se tivermos em conta o lance da admoestação imposta a Weigl, logo na primeira parte.

Desejamos a Artur Soares Dias as maiores felicidades no Campeonato da Europa, mas se não consegue ser imparcial e se sente condicionado a apitar jogos do Benfica diante do FC Porto, à imagem do que aconteceu ontem e no passado, iniba-se desse encargo.

Quanto ao resto, Jorge Jesus deixou claro que “foi um bom jogo para quem assistiu, face à emotividade e às oportunidades de golo”. O nosso treinador salientou também a atitude dos jogadores, “porque souberam passar para uma fase melhor na partida, mesmo depois do golo sofrido”. “Fomos à procura do 2-1 e tivemos muitas oportunidades. A equipa fez tudo para ganhar o jogo”, vincou.

Jorge Jesus destacou ainda “o calor e carinho dos adeptos desde o Seixal até ao Estádio da Luz, mesmo sabendo que já não podíamos ser campeões”. “(…) Eles mereciam que tivéssemos somado uma vitória para lhes oferecer. Foi bonito de ver este apoio, todos unidos e juntos.”

Competirá agora a todos nós continuarmos a centrar esforços, se possível, na aproximação ao segundo posto e na conquista da Taça de Portugal, cuja final, com o Braga, está agendada para o dia 23 de maio, às 20h30.

De Todos Um, o Benfica!