Revista francesa So Foot, Escreve sobre Pinto da Costa SEM MEDO!

Advertisement

10703547_340837836085978_3169849554419797756_n

Revista francesa So Foot, Escreve sobre Pinto da Costa

« Mulheres jovens e operações duvidosas, como Silvio Berlusconi, Complexos de provincianismo e flirts com a polícia… ”

” O homem forte do Porto está em confiança porque ele sabe que desfruta, no país dele, de uma imunidade à maneira de Berlusconi. e que a utiliza com frequência. Na prateleira dos casos o C.V. de Pinto da Costa está bastante cheio.

Só durante os últimos meses, o presidente dos Dragões foi surpreendido junto com o amigo, o pugilista Reinaldo Teles, a comer com Bjorn Kuipers, o árbitro da partida do dia seguinte para a Liga Europa Porto-Vilarreal, e agrediu fisicamente Valdemar Duarte, antigamente jornalista do canal português TVI (actualmente na BTV), no seguimento de um Porto-Braga.

Mas especialmente, Da Costa arrasta um escândalo tão enorme que nós estamos admirados como é que ele saiu dele tão facilmente. Suspeito de ter organizado dois jogos durante os anos 2003-2004, Porto-Estrela da Amadora e Nacional-Benfica. Pinto da Costa foi apanhado nas escutas telefónicas onde o ouvimos encomendar a Antônio Araújo, agente de jogadores, “fruta” para o arbitro Jacinto Paixão, como para os assistentes. A fruta eram três prostitutas. Estranhamente, o caso ficará esquecido até 2006 e a saída da autobiografia de Carolina Salgado, a ex-esposa dele que o conheceu seis anos mais cedo na boate “O Calor da Noite”. Uma das confidencias era que o seu companheiro mais velho de quarenta anos, lhe fazia amor violentamente. O livro da hospedeira da boate, conta que um dia, Pinto da Costa teria recebido um árbitro para lhe entregar um envelope de dois mil e quinhentos euros . Perseguido pela justiça, Pinto sai-se bem, dois anos suspenso de exercer as funções de presidente do clube – uma boa piada – e ao Porto retirado seis pontos -uma piada ainda melhor-, porque o clube contava então com um avanço vinte pontos sobre o segundo classificado »